A Página da Educação é uma revista semestral. Propriedade da PROFEDIÇÕES, Lda.

Centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen

Celebrar Sophia. As palavras, a poesia, o mar, os lugares, a vida. A 6 de novembro de 1919 nasceu Sophia de Mello Breyner Andresen, no Porto. A escritora morreu em 2004, mas para sempre ficam os seus versos e as suas histórias, património de um país que tem vindo a celebrar o centenário do seu nascimento ao longo do ano. A PÁGINA associa-se às celebrações e, na próxima edição, vai lembrar Sophia.

PÁGINA, 05.11.2019 03h55

  
Edição nº 213




Assinar a Revista

Ser Assinante da Revista 

Dê apoio à existência desta revista. 

Seja nosso assinante


a Página

Estatuto Editorial

Ficha Técnica

Lista de Colaboradores

Publicar na Revista a Página da Educação

Tabela de Publicidade


Livros

Carlos Alberto Mota

 David Rodrigues

Ana Maria Vieira / Ricardo Vieira


Organizações de Professores



Facebook

O MIRA Forum e o Espaço MIRA apresentam três exposições, com entrada livre: uma dedicada a José Mário Brandão; uma outra à arte, ativismo e experimentalismo nos anos 70 e 80; e uma outra ao Mercado do Bolhão.

PÁGINA, 10.12.2019 02h38



Altos voos, trapézio triplo, um virtuoso da corda bamba, artistas premiados e números em estreia absoluta são as propostas do Circo de Natal do Coliseu do Porto, de 13 de dezembro a 1 de janeiro.

PÁGINA, 10.12.2019 01h04



José Antonio Caride, professor da Universidade de Santiago de Compostela, foi galardoado com o Prémio José Manuel Esteve, da Faculdade de Ciências da Educação da Universidade de Málaga.

PÁGINA, 10.12.2019 12h35



O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas vai acolher o concerto da Orquestra Nacional Moderna, que está marcado para 15 de dezembro, às 17 horas.

PÁGINA, 10.12.2019 12h10



Pelo romance ‘Florinhas de Soror Nada’

O Prémio de Novela e Romance Urbano Tavares Rodrigues 2019, instituído pela Fenprof – Federação Nacional dos Professores com o apoio da SabSeg, foi atribuído a Luís Costa Gomes, pelo romance ‘Florinhas de Soror Nada’ (D. Quixote, 2018). O prémio foi ganho em 2017 por Isabela Figueiredo (com o romance ‘A Gorda’), em 2015 por Lídia Jorge (‘Os Memoráveis’) e em 2013 por Ana Cristina Silva (‘O Rei do Monte Brasil). Este reconhecimento é alternado com o Prémio de Poesia António Gedeão, que foi ganho por Ana Luísa Amaral (em 2012), por Manuel Gusmão (2014), por Nuno Júdice (2016) e por Daniel Jonas (2018).

PÁGINA, 08.10.2019 02h23



O Ministério da Educação anunciou um plano de combate ao bullying nas escolas. Segundo a Lusa, as ferramentas de implementação do plano começam a chegar às escolas em outubro.

PÁGINA, 24.09.2019 03h25



A OCDE apresentou o relatório “Education at a Glance”. Entre outros dados, refere que a classe docente em Portugal está envelhecida e apenas 30% dos estudantes terminam o Ensino Superior no tempo previsto de três anos.

PÁGINA, 12.09.2019 04h07



Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro ajudou a desenvolver uma técnica pioneira que permite que fibras eletrónicas sejam entrelaçadas em tecidos têxteis.

PÁGINA, 13.08.2019 04h05

  
Sérgio Niza à Página 198

“O Ministério da Educação e Ciência é de uma ignorância que faz medo: os avanços e recuos, o desnorte na organização das escolas, nos concursos, nas metas ideologicamente hipermarcadas… E de um revivalismo inquietante – quando nos Estados Unidos se utilizam standards, aqui estabelecem-se metas por objetivos, com taxonomias inspiradas nas de [Benjamin] Bloom, da pedagogia por objetivos, de má memória… Dizem que os professores têm liberdade metodológica, mas contam com os diretores dos agrupamentos disponíveis para uniformizarem o que os professores hão de fazer… Enquanto tivermos uma fresta para respirar liberdade, temos de usá-la na escola. E temos de ousar fazer diferente. Porque o que temos vindo a fazer é muito parecido com o que Nuno Crato quer que se faça agora – podem os professores não gostar, mas é absolutamente verdade.” [Entrevista conduzida por António Baldaia - edição nº 198, série II, outono 2012]

PÁGINA, 22.04.2015 02h12



Isabel Pires de Lima à Página 194

“Se, ao nível do ensino, não cruzarmos o incentivo ao desenvolvimento do pensamento cognitivo com o incentivo ao desenvolvimento do pensamento emocional (designadamente, através das artes e das manifestações de Cultura no sentido variado do termo), provavelmente não conseguimos ter sucesso ao nível da Educação de cidadãos capazes de reconhecerem, por exemplo, aquilo que são as narrativas éticas que ainda orientam as nossas comunidades. Estamos permanentemente a dizer que se perderam valores, que os jovens não reconhecem os valores que organizam a comunidade – ora, o reconhecimento desses valores faz-se muito através de um desenvolvimento equilibrado entre pensamento emocional e cognitivo”. [Entrevista conduzida por Maria João Leite - edição nº 194, série II, outono 2011]

PÁGINA, 16.03.2016 12h03



Luiza Cortesão à PÁGINA 189

"A questão da cidadania é uma das mais complicadas de abordar. Sobretudo quando pensamos cidadania em termos de diversidade cultural. O que é cidadania num determinado contexto poderá não o ser num outro. Mas se pensarmos concretamente na Escola portuguesa, e se assumirmos que, apesar de tudo, ela não é um dos contextos de maior diversidade, julgo que se poderá afirmar que a Escola não contribui habitualmente para a assunção da cidadania. Isto, porque a Escola valoriza sobretudo os deveres dos alunos." [Entrevista conduzida por Ricardo Jorge Costa - edição nº 189, série II, verão 2010]

PÁGINA, 20.08.2019 02h30

Contactos de correio electrónico
redaccao@apagina.pt | revista@apagina.pt | livros@profedicoes.pt

153 visitantes nos últimos 20 minutos