Página  >  Arquivo de Edições Anteriores  >  N.º 76  >  Desejos sem medos neste promovido 99

Desejos sem medos neste promovido 99

Com este número entramos no oitavo ano de publicação. Nestes oito anos já acumulamos um volume de material de reflexão que justifica o esforço de colocar à disposição dos nossos leitores tal arquivo. Eis um dos desafios de "a Página" para o ano que agora começa. Um desafio que talvez possa também ser entendido como parte do agradecimento a todos quantos, em 1998, contribuíram para continuar este jornal.
Por falar em 1998. Não vale a pena teimar que 2000 é que é o último ano do século e do milénio. A pressa de chegar ao século XXI está a promover a antecipação. 1999 será assim o ano dos balanços, do século e do milénio. Preparemo-nos para ver como se vão vender promessas, desejos e medos.
Entretanto lembremos que, em 1998, alguma comunicação, agora globalizada, esteve sentada à roda da fogueira, ou melhor, à volta da gaita do Bill. Sabíamos, da História, como uma mulher inteligente podia alterar os rumos do mundo. Em 1998, ficámos a saber como uma jovem mulher, não particularmente inteligente, pode também influenciar o mundo. E recordamos como é perigoso viver-se dependente da hegemonia de um país. Estamos na barbárie da globalização. As mulheres, os homens e o tempo encarregar-se-ão de nos explicar que a globalização não deve ser construída de cima para baixo e de fora para dentro. Mas deve ser construída de baixo par cima e de dentro para fora. Isto também depende de nós.
"De cada um segundo as suas capacidades a cada um segundo as suas necessidades". Não nego os direitos do Bill. As suas capacidades e necessidades podem dar para governar a América - isso é problema dos americanos. Não dão é para governar o mundo - esse é um problema nosso.
Outro problema nosso é o do lixo. É o tema da ordem do dia. O lixo, essa coisa suja e perigosa, anda por aí, há muitos anos, a dar cabo das nossas vidas. Poucos ou nenhuns se incomodaram com tal ameaça. É interessante que a coisa só tenha interesse, e direito a directo em telejornal, no momento em que alguém decide por alguma ordem na desordem total e completa. Não sendo um especialista na matéria fico abismado com as alternativas. Pelos vistos o melhor é deixar tudo como estava, ou seja, sem nenhum controle. Se a solução é uma incineradora "de raiz" digam onde a colocar. Mostrem-me as vantagens e os inconvenientes. Esclareçam-me. Nesta área, reduzir tudo a propaganda partidária é uma estupidez imperdoável. A questão do ambiente é mesmo uma questão séria. Toca-nos a todos.
Eis um bom tema para a agenda de 1999 dos professores e das escolas. Sobre a matéria é preciso obter o máximo de informação possível. É preciso promover a discussão desta questão. É importante que cada professor e cada aluno tenha uma informação séria e rigorosa sobre esta matéria. Como é importante saber quais os direitos de participação dos cidadãos nestas e outras matérias. Esta é uma questão de presente e de futuro.
Bem gostaria que a agenda de 1999 contemplasse também o tema da mudança...Tem sido questão constante em "a Página". Sobre esta matéria, tenho defendido, de várias maneiras, que os actuais sistemas de ensino não são reformáveis e que é necessária a sua reinvenção. Isto porque continuamos a pensar a mudança, e a resolução de problemas, no quadro do que temos. Depois das falhadas reformas globais, vieram as que atacavam pontos essenciais do sistema e agora entrámos no que parece ser a reforma permanente.
Já não há uma política para o sistema educativo. Existem e coexistem muitas seitas. Muita gente criativa. Muita coisa gira. Muitas ideias. Imensas soluções. A política parece ser a de experimentar tudo. Não há uma estrutura que dê coerência às "inovações". Experimenta-se tudo. O sistema não tem bandeira. Cada grupo de trabalho transporta a sua. A política do ministério é um espectáculo. Uma passagem de modelos pedagógicos. Um concurso de ideias. Neste tactear experimentalista ganham todos. Só perdem os alunos e professores.
Experimente-se fazer a lista das experiências/exigências lançadas nas escolas. É enorme. Tanta contradição assusta o experimentalista mais destemido. Mas a política experimentalista está para dar e durar. Vem aí a "gestão flexível dos currículos", a autonomia das escolas, a autonomia da profissão... Sabemos que todas as coisas têm um lado positivo... Podemos é nem ter tempo para o descobrir. Nem tempo para ensinar...
Mudança que parece ser a sério é essa do Euro Mas sobre isto gostaria de ter mais respostas. O euro não foi inventado para que "a Página" possa, em breve, publicar os vencimentos dos professores da União Europeia. Em Euros, claro.

José Paulo Serralheiro


  
Ficha do Artigo
Imprimir Abrir como PDF

Edição:

N.º 76
Ano 8, Janeiro 1999

Autoria:

José Paulo Serralheiro
Professor e Jornalista. Director do Jornal a Página da Educação.
José Paulo Serralheiro
Professor e Jornalista. Director do Jornal a Página da Educação.

Partilhar nas redes sociais:

|


Publicidade


Voltar ao Topo