Página  >  Arquivo de Edições Anteriores  >  N.º 168  >  O mal no meio do coração

O mal no meio do coração
Este mês não vou escrever sobre cinema. Encontrei um livro do qual tenho de vos falar. Desculpem!!!
"The Lucifer Effect: Understanding How Good People Turn Evil", de Philip Zimbardo, edição de "Rider Books". Em 28 de Abril de 2004, o programa de notícias "60 minutes II" transmitiu fotografias tiradas em Abu Ghraib, prisão do Iraque. Essas imagens ficaram, desde essa altura, gravadas na nossa consciência. Um dos espectadores estupefactos foi o professor Philip Zimbardo, eminente psicólogo. Em 1971, como psicólogo da Universidade de Stanford da Califórnia, conduziu uma experiência sobre a psicologia do prisioneiro, dividindo um grupo de alunos, voluntários, em dois grupos: os "guardas" e os "prisioneiros". Nesse Agosto testemunhou níveis de crueldade que não tinha previsto nem imaginado. Em pouco tempo, "liberal students" tornaram-se sádicos, torturando presos, indo até ao ponto de os forçar, numa premonição do Iraque de George W. Bush, a simular sodomia uns com os outros.
Após seis dias de experiência, Zimbardo pôs-lhe fim. Embora os "guardas" soubessem que os "presos nada tinham feito de criminoso para merecer tudo aquilo", ele escreve no seu livro, "alguns...transformaram-se em portadores do Mal". A experiência ensinou-lhe que "a maioria de nós pode sofrer alterações de carácter significativas quando é apanhado numa encruzilhada de forças sociais".
Foi para responder à pergunta "como é que boas pessoas se transformam em Mal" que Zimbardo escreveu "Lucifer Effect", uma peça de investigação formidável sobre a natureza do mal e os sistemas e situações que o criam. Começa o livro com um penoso mas necessário exame de alguns dos melhores (piores) exemplos da inumanidade do homem para com o homem durante o século passado: a carnificina de 350000 civis chineses pelas tropas japonesas em Nanquim em 1937; "a banalidade do mal" personificada por Adolf Eichmann; o massacre de 800000 ruandeses em 1994. Moralidade, observa, é como" uma embraiagem que às vezes fica em ponto morto".
O episódio de Abu Ghraib, o foco do livro, é contado com precisão, detalhadamente. Depois da publicação das fotografias, sete guardas foram acusados de "maus tratos sobre prisioneiros". Entre eles encontrava-se Ivan "Chip" Frederick, 37 anos, no julgamento do qual Zimbardo participou como "testemunha especialista". Frederisk é um arquétipo de um normal American Joe: temente de Deus, basquetebolista, um soldado disciplinado, super patriota. Em Abu Ghraib foi completamente desumanizado. Fazia turnos de 12 horas, sete dias por semana, 40 dias sem folga, e dormia numa cela quando estava fora do serviço. Nas suas próprias palavras: "A merda era levada por insignificantes. Havia um grupo de humanos na prisão ... havia um grupo de cães selvagens". Os presos atacavam os guardas frequentemente; numa altura entrou uma arma e seguiu-se um tiroteio...
Human Rights Watch, num relatório de 2005, censurou o ex-secretário da defesa americano Donald Rumsfeld e os chefes da CIA e o exército americano por "decisões e políticas que facilitavam sérias e amplas violações da lei".
Zimbardo concorda, mas não há razões para complacência. Diz que qualquer de nós, em determinadas circunstâncias, é capaz de actos monstruosos. Como dizia Solzhenitsyn no "Arquipélago de Gulag": "A linha entre o bem e mal encontra-se no meio do coração humano".
Mais uma vez desculpem, mas não resisti a dar-vos a conhecer este livro. Como diz Saramago: "As tentações existem para não lhes resistirmos".

  
Ficha do Artigo
Imprimir Abrir como PDF

Edição:

N.º 168
Ano 16, Junho 2007

Autoria:

Paulo Teixeira de Sousa
Escola Secundária Especializada de Ensino Artístico de Soares dos Reis, Porto
Paulo Teixeira de Sousa
Escola Secundária Especializada de Ensino Artístico de Soares dos Reis, Porto

Partilhar nas redes sociais:

|


Publicidade


Voltar ao Topo