Página  >  Arquivo de Edições Anteriores  >  N.º 157  >  Poesia com perfume de cama quente

Poesia com perfume de cama quente

Entro pela parede falsa, a quarta, e percorro a bibliografia de Mário Cláudio, aparafusada às três paredes do palco maior da 76ª  Feira do Livro do Porto. A obra mais recente está na direita baixa - Camilo Broca, da D. Quixote, 2006. Sublinhada, a tinta dourada, pelo autor.
?Eu tenho aqui uns papéis que, se não servirem ao menino para tecer a sua prosa, acabarei por utilizar no acendimento da lareira da sala, ou no embrulho do folar que costumo remeter pela Páscoa aos meus afilhados?.
Mais adiante sinto o perfume da terra, em torrões de humidade, a esboroar-se nos dedos. No princípio, na parede oposta, aos ?Sete Solstícios?, eram os musgos e os celeiros da casa da infância. E também um cheiro a cama quente.
Na esquerda alta, ?o navio singrava pela manhã (?) paralelo aos arcos da ribeira, ao muro dito dos bacalhoeiros?. Carregado sabe-se lá de quê. O poeta admite que seja vinho, ou sal, ou carvão ou fruta.
A cenografia deste palco à italiana foi criada por Luís Mendonça, professor de uma das mais novas e Belas Artes, a do Design, agora também cenógrafo, que é arte tão antiga como a da Arquitectura, por ser arquitectura.
Os livros de Mário Cláudio, assim dispostos no palco da homenagem que a Feira do Livro do Porto lhe presta, parecem ícones gregos, verdadeiras janelas para outras realidades, criadas e recriadas pelo poeta.
?Pedirei às madrugadas loucas notícias tuas // passadas?, como em 1969, no Ciclo de Cypris.  Cláudio, Mário Cláudio. Cláudio como o da Olga e Cláudio ?que é a história de uma gata e de um gato que vivem em Veneza e em Lisboa, cada qual na sua cidade?. Outras das histórias do escritor, escrita em 1988 para a Afrontamento.
Mas é no Porto, e até 11 de Junho, que está esta feira que homenageia poetas e escritores. Vale a pena passar pelo Palácio que mantém o nome apesar de já não ser nem palácio nem muito menos de cristal. Um pavilhão, em cimento armado, há alguns anos anfitrião da Feira do Livro.


  
Ficha do Artigo
Imprimir Abrir como PDF

Edição:

N.º 157
Ano 15, Junho 2006

Autoria:

Júlio Roldão
Jornalista do Jornal de Notícias
Júlio Roldão
Jornalista do Jornal de Notícias

Partilhar nas redes sociais:

|


Publicidade


Voltar ao Topo