Página  >  Arquivo de Edições Anteriores  >  N.º 113  >  Sem renunciar à Universidade

Sem renunciar à Universidade

Frederico Reis, aluno do 1º ano do curso Técnico de Marketing da Escola de Comércio do Porto

Quais foram os motivos que o levaram a procurar o ensino profissional?
Quando decidi vir para uma escola profissional estava em Economia no 10º ano. Tinha reprovado um ano e sentia que necessitava de estudar uma coisa nova... Algo que estivesse ligado à Economia, como o Marketing, mas diferente do que estava a aprender no ensino via geral, porque não me agradava.

O quê que lhe agrada no ensino profissional?
O ensino profissional é prático. As coisas aprofundam-se menos do que nas escolas "normais", mas aqui o que se estuda é o essencial, é o mais importante para as empresas. Até porque, as matérias dadas nas aulas são sempre remetidas para a empresa. Estamos sempre a ouvir: "na empresa faz-se isto", ou então, "vamos ver como isto se faz nas empresas". No ensino geral dá-se a matéria, sem ligação a nada, é só para a pessoa aprender aquilo.

Sentia isso quando estava em Economia, que as matérias caiam um bocado na abstracção, que não tinham muita aplicação?
Sim. Era muita teoria, depois haviam muitas noções...

Que tipo de formação espera ter adquirido quando saír desta escola?
Bases de Marketing para ter a capacidade de ir trabalhar para uma empresa. Mas penso que só isso também não é o suficiente. Por isso, um aluno quando sai daqui o melhor que tem a fazer é ir para uma universidade, para ter mais conhecimentos e alargar a sua cultura geral.

Mas está consciente que os cursos profissionais são mais voltados para o ingresso no mercado de trabalho do que no ensino superior?
Sim, e a maioria dos alunos pretende o ingresso no mercado de trabalho.

Sente que vai concorrer em pé de igualdade com os alunos que seguiram o ensino geral e que se candidatam aos cursos superiores a que também vais candidatar-se?
Os cursos profissionais têm uma vantagem em relação aos cursos gerais. Nas escolas gerais dizem que o ensino é mais difícil, mas nas escolas profissionais o aluno fica mais preparado porque está mais ligado ao que no dia-a-dia se passa numa empresa.


  
Ficha do Artigo
Imprimir Abrir como PDF

Edição:

N.º 113
Ano 11, Junho 2002

Autoria:

Frederico Reis
Aluno do Curso Técnico de Marketing da Escola de Comércio do Porto
Andreia Lobo
Jornalista, A Página da Educação
Frederico Reis
Aluno do Curso Técnico de Marketing da Escola de Comércio do Porto
Andreia Lobo
Jornalista, A Página da Educação

Partilhar nas redes sociais:

|


Publicidade


Voltar ao Topo